O que você entende por aula experimental de Pilates?

Tempo de leitura: 3 minutos

É muito comum os estúdios de Pilates oferecerem uma aula experimental gratuita as pessoas que querem conhecer a modalidade que conquistou o mercado na área da fisioterapia e do fitness. Esse é o momento que os instrutores de Pilates encontraram para conquistar seus clientes/alunos.

Mas o que você entende por uma aula demonstrativa de uma modalidade tão complexa?

Há profissionais que acreditam que a aula deve ser para impressionar o cliente/aluno, mostrar que não se trata de “exercício de preguiçoso”, nem de exercícios só com as bolas coloridas, e que devem sair da aula com as pernas “bambas”, para provar em uma única aula o quanto o Pilates é eficaz. Outros instrutores de Pilates defendem que apresentar os princípios da modalidade e fazer com que ele sinta no corpo a base do método é primordial, principalmente para que não haja nenhum risco de lesão, já que o cliente/aluno não passou por nenhuma anamnese.

A minha aula inaugural

Pelo contato que estou tendo com muitos profissionais da área nesses últimos dois anos, venho observando que não existe um padrão a ser seguido, cada profissional tem a sua opinião. O que eu quero com esse artigo é compartilhar a minha conduta, sem nenhuma pretensão de dizer que é a melhor ou a correta.

Como a procura é cada vez maior pela modalidade resolvi escolher um horário na semana para agendar a aula demonstrativa em grupo, máximo 3 clientes/alunos. A aula experimental tem um valor diferenciado, não é gratuita.

Inicio a aula esclarecendo sobre o que esperar do método Pilates e que, independente do objetivo individual de cada cliente/paciente, os princípios aplicados são os mesmos para todos que praticam e buscam a modalidade. Explico e ensino nesta aula a importância de conhecer e dominar os músculos estabilizadores (CORE) que será como uma armadura, um escudo de proteção de uma das estruturas mais nobres que temos em nosso corpo: a nossa coluna vertebral. Muitos detalhes são apresentados, o que exige muita concentração, com uma respiração especifica que vai auxiliar na execução e coordenação dos movimentos.

Após treinar um pouco a respiração associada a contração do CORE, solicito a coordenação com movimentos de mmss e mmii, explicando que o movimento de uma parte do corpo não deve causar instabilidade em nenhum outro lugar. Por exemplo, o movimento de uma perna não pode levar a uma compensação na pelve nem na lombar e um movimento de braço não pode causar um deslocamento do ombro e nem da cervical.

Algo que faz a diferença nas minhas aulas experimentais é deixar o cliente/aluno bem a vontade abusando dos comandos verbais que facilitem o entendimento sendo o mais lúdico possível.

É mais eficaz e seguro aprender o Pré Pilates e fazer o movimento bem feito do que um altamente desafiante e mal feito, não abro mão de uma boa postura na execução de qualquer movimento.

Finalmente explico que foi uma apresentação do que é o método e com a evolução do cliente/aluno haverá a evolução das aulas sempre respeitando o limite individual.

Adoro quando o cliente/aluno no final da aula diz se surpreender com o que acabou de aprender, julgando anteriormente que o método fosse fácil com objetivo só de alongar e relaxar.

O método pode até parecer simples, mas na prática desafia seus músculos a realizarem os movimentos solicitados com perfeição.

Esse é o momento de conquistar mais alunos, e a conquista maior está no brilho dos seus olhos quando fala e ensina com amor e entusiasmo aquilo que você acredita e sente no seu próprio corpo. Sabe por que? Porque você é exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *